Em coletiva descontraída, a lendária banda americana falou sobre variados assuntos

Suicidal Tendencies na coletiva de imprensa em São Paulo | Fotos: Jair Gomes Silva
Suicidal Tendencies na coletiva de imprensa em São Paulo | Fotos: Jair Gomes Silva

O projeto “HonorSounds” chega aos dois anos e não merece nada além de elogios. Numa iniciativa pra lá de interessante, o projeto de comunicação, além de promover shows, estimula ações sociais que vão desde angariar alimentos, brinquedos, livros e roupas para instituições até a #CorridaContraFome, uma gincana na qual o fã que conseguir mais doações conhece seu artista predileto. Para essa nova edição, a banda escolhida foi a americana Suicidal Tendencies, que atualmente promove o álbum “World Gone Mad”, lançado no ano passado e que conta com o célebre baterista Dave Lombardo (ex-Slayer, Testament, Grip Inc.). A imprensa foi recebida para uma coletiva e coquetel no belo Auditório Atrtwalk e, muito à vontade, falou sobre vários assuntos.

Como o Suicidal Tendencies sempre foi uma banda engajada politicamente, com fortes laços com a cena punk/hardcore e crossover, especialmente da Califórnia (um estado americano sabidamente liberal), e possui uma ligação muito forte com as comunidades hispânicas e de minorias em geral, era inevitável que se perguntasse sobre o atual presidente americano, Donald Trump. O vocalista Mike Muir abordou a questão de forma ampla e interessante, chamando a atenção para um problema com a humanidade em geral: “Eu não gosto de política, acho que ela destrói o coração das pessoas. Político é o tipo de gente que te conta o que você quer ouvir e não a verdade. Acabamos de voltar da França e lá também dá para sentir que voltamos ao estágio de que ninguém mais tem esperança, e é esse o estado atual das coisas”, disse. “Isso acontece porque política não é a resposta. Política é sobre poder e poder é apenas sobre manter o poder e não provocar mudanças. Vejo isso em todos os países e chegamos ao ponto que é mais uma questão humana mesmo. Muitas pessoas em vários outros países gostam de Trump, porque ele pode ser uma razão para desviarem o foco do que acontece no país delas. Mais do que odiar Trump, eu odeio o que ele representa”, completou.

Mike Muir | Fotos: Jair Gomes Silva

Eu não gosto de política, acho que ela destrói o coração das pessoas. Político é o tipo de gente que te conta o que você quer ouvir e não a verdade” – Mike Muir

A combinação de um baterista renomado como Dave Lombardo e o Suicidal chamou a atenção dos fãs e a curiosidade sobre como tudo isso aconteceu e qual a sua contribuição para a sonoridade da banda era natural. Sempre muito simpático, Lombardo esclareceu a história desde o início: “Na verdade, eu não fiz muita coisa, apenas usei as referências do passado. Eu e o Suicidal temos uma ligação desde antes do primeiro álbum do Slayer, lá por volta de 1982, então a influência é bem profunda”, observou. “Lembro de estar em uma van com o Slayer, indo de São Francisco para Seattle, ouvindo e cantando as músicas do primeiro álbum do Suicidal. Então, a música da banda me influenciou de várias maneiras. Quando fui gravar esse novo álbum, tentei implementar isso”, completou.

O baterista ainda falou sobre a ligação do Slayer com o Suicidal. “Rocky George (ex-guitarrista do Suicidal Tendencies) era muito amigo de Jeff Hanneman (falecido guitarrista do Slayer). Jeff adorava Suicidal Tendencies! Me sinto muito confortável tocando as músicas do Suicidal porque sempre teve os elementos de thrash e punk, mas também um lado funk que eu adoro, porque amo quando bandas trazem outros estilos de som para o metal, acho muito bom”, revelou.

Suicidal Tendencies na coletiva de imprensa em São Paulo | Fotos: Jair Gomes Silva

Me sinto muito confortável tocando as músicas do Suicidal porque sempre teve os elementos de thrash e punk, mas também um lado funk que eu adoro” – Dave Lombardo

Com uma carreira que já se aproxima de 40 anos de estrada, uma banda que nunca conseguiu chegar ao mainstream (mesmo levando em conta um mainstream do metal), o segredo para a longevidade também foi assunto e Mike Muir explicou da seguinte forma: “Quando comecei o Suicidal, queria fazer algo novo, que ninguém estava fazendo. Havia coisas no metal que eu gostava e coisas do punk que eu também gostava. O primeiro show de punk que eu fui, achei o máximo. O seguinte, uma porcaria. Se eu tivesse ido nesse segundo antes, provavelmente não tocaria o que toco agora. Foi quando percebi que o que importava não era o rótulo, mas o conteúdo. E para mim sempre foi sobre fazer o que eu quero e não tentar me encaixar”, analisou. “Meu pai sempre disse que quem tenta se encaixar é porque não consegue se destacar. No início éramos criticados pelas revistas por não sermos nem punks, nem metal o bastante. Tentamos evoluir a cada álbum e não ser uma banda nostálgica. O que mais queremos passar ao público, seja para a pessoa que nos vê pela sétima vez, seja pela primeira, é que ninguém acredita mais no que fazemos do que nós mesmos”, completou o vocalista.

Várias coisas mudaram no mundo da música, desde a forma como a consumimos, até as cenas musicais em si. Porém, sobre essa última, Muir não é muito fã de ser nostálgico quando se trata das diferenças entre como as coisas eram e como as coisas são: “Acho que a principal diferença é a violência. Quando começamos, você ia a um show de carro e há uns dez quarteirões de distância já via carros de polícia prontos para ‘pegar pesado’ com a garotada. Muita gente vem falar comigo que gostaria de ter vivido aquela época e eu sempre respondo que ele está enganado, pois teria medo. Era uma época muito diferente. Hoje em dia os pais levam os filhos aos shows. Aquilo não existe mais e era como um filme de terror às vezes.”

A banda se mostrou muito solícita com todos os jornalistas presentes e se divertiu com uma microfonia teimosa que dava às caras em alguns momentos. No geral, o Sucidal Tendencies deixou uma ótima impressão, a mesma de quem vê o grupo em ação no palco.

A “World Gone Mad South American Tour April 2017” consiste nas seguintes datas:
27/04 – Imperator – Rio de Janeiro, Brasil
28/04 – Abril Pro Rock – Recife, Brasil
29/04 – Tropical Butantã – São Paulo, Brasil
30/04 – Club Deportivo Lonquen – Santiago, Chile

Os ingressos para as performances na capital paulista continuam à venda pelo site da Ticket Brasil e pontos autorizados pela empresa na capital paulista, Santo André, São Bernardo, São Caetano, São Mateus, São Bernardo do Campo, Osasco, Guarulhos.

Já na Cidade Maravilhosa, as entradas estão disponíveis pelo site da Ingresso Rápido e pontos autorizados. Mais informações no serviço abaixo.

O HonorSounds é um projeto de comunicação itinerante que oferece para artistas de diferentes nichos a oportunidade de organizar movimentos e apresentações musicais dentro de um espaço mainstream com estrutura e atuação no âmbito social através da ação #corridacontrafome que realiza o sonho do fãs em conhecer o artista e alimenta o crescimento de jovens e adultos com deficiência mental e intelectual através das doações.

Serviço São Paulo
HonorSounds e Abril Pro Rock orgulhosamente apresentam Suicidal Tendencies
Banda convidada: Dead Fish
Data: sábado, 29 de abril de 2017
Local: Tropical Butantã
End: Av. Valdemar Ferreira, 93 – 200m da estação Butantã da Linha Amarela do Metrô
Horário: 18h (open doors) | 20h30 (showtime)
Imprensa: press@theultimatemusic.com | 11 964.197.206
Capacidade: 2.500 lugares
Chapelaria : R$ 10,00
E-mail: contato@tropicalbutanta.com.br
Telefone: (11) 3031.0393
Imprensa: press@theultimatemusic.com
Mais informações: www.honorsounds.com.br
Censura: 16 anos
Estacionamento: nas imediações da Tropical Butantã (sem convênio – valor entre R$20 e R$ 40/periodo)
Estrutura: ar-condicionado, acesso para deficientes somente na pista, área para fumantes e enfermaria

SETORES/VALORES – 1° LOTE
Pista meia entrada/estudante: R$ 100,00
Pista promocional*: R$ 130,00
Pista inteira: R$ 200,00
Pista + Hot Pass + Poster exclusivo – R$200,00
Camarote open-bar: R$ 250,00
*ingressos promocional devem levar 1kg de alimento não perecível exceto sal e açúcar para doação no dia do evento.

Informações e compra de ingressos:
# BILHETERIAS TROPICAL BUTANTÃ (Posto de venda sem taxa de conveniência)
Horário: Segunda à sábado das 11h às 18h | Formas de pagamento: apenas dinheiro

# COMPRA PELA INTERNET – https://ticketbrasil.com.br/show/4874-suicidaltendencies-saopaulo-sp
***Pontos de venda autorizados em São Paulo, Santo André, São Bernardo, São Caetano, São Mateus, São Bernardo do Campo, Osasco, Guarulhos.
(Formas de Pagamento: dinheiro, cartões de crédito Visa, MasterCard, American Express e Dinners Club)
*Ponto de venda sujeito a taxa de conveniência
**** Para a compra de ingressos para estudantes, aposentados e professores estaduais, os mesmos devem comparecer pessoalmente portando documento na bilheteria respectiva ao show ou nos pontos de venda. Esclarecemos que a venda de meia-entrada é direta, pessoal e intransferível e está condicionada ao comparecimento do titular da carteira estudantil no ato da compra e no dia do espetáculo, munido de documento que comprove condição prevista em lei;
***** A produção do evento NÃO se responsabiliza por ingressos comprados fora do site e pontos de venda oficiais;
****** É expressamente proibida a entrada com câmeras fotográficas e filmadoras profissionais ou semi-profissionais.

Serviço Rio de Janeiro
HonorSounds orgulhosamente apresentam Suicidal Tendencies
Data: quinta-feira, 27 de abril de 2017
Local: Imperator Centro Cultural João Nogueira
Endereço: Rua Dias da Cruz, 170
Horário: 19h (open doors) | 21h (showtime)
Mais informações: www.honorsounds.com.br
Censura: 16 anos

SETOR/VALORES – 2° LOTE
Pista: R$ 90,00 (meia-entrada) | R$ 180,00 (inteira)

COMPRA PELA INTERNET – www.ingressorapido.com.br/compra/?id=56714#!/tickets

Últimas notícias

Leia também

SE INSCREVA NA NOSSA NEWSLETTER E SAIBA DE TUDO O QUE ACONTECE NO ROCKARAMA
* nós não compartilharemos seu email com ninguém

Comentários

comentários