Dee Snider tem o direito de escolher

O que o vocalista americano Dee Snider bradou durante mais de três décadas na letra de “We’re Not Gonna Take It”, clássico do Twisted Sister, nunca esteve tão vivo

"We Are the Ones" mostrou uma roupagem mais atual de Dee Snider | Foto: divulgação - Tyler Curtis
"We Are the Ones" mostrou uma roupagem mais atual de Dee Snider | Foto: divulgação - Tyler Curtis

Ocorrida às vésperas do lendário dia 12 de novembro de 2016, quando o Twisted Sister fez sua última apresentação da carreira, a entrevista a seguir mostra um Dee Snider tão revolucionário e contestador quanto nos anos 1980, quando criava seus maiores clássicos. E ele foi enfático nas suas opiniões, forte, bateu de frente da mesma forma que quando escreveu “Nós temos o direito de escolher / e não tem como o perdermos / esta é a nossa vida / esta é a nossa música”, trecho de “We’re Not Gonna Take It”, single/clipe extraído de “Stay Hungry” (1984), um dos maiores clássicos da banda. Além do álbum solo mais recente, “We Are the Ones”, no qual Snider fez o que queria musicalmente e não o que esperavam dele, ele também foi enfático sobre o funcionamento da indústria musical, as rádios americanas, serviços de streaming e, principalmente, a relação paradoxal com boa parte os fãs do rock e metal. Autêntico e versátil, Snider teve uma carreira que foi muito além do Twisted Sister, seja musicalmente – ele compôs, por exemplo, “The Magic of Christmas Day (God Bless Us Everyone)”, gravada por Celine Dion em 1998 –, no cinema, na mídia e na indústria musical. Com essa autenticidade, ele respondeu e bateu – é verdade -, com uma dose de verdades que poucos revelariam. Sim, Dee, você tem o direito de escolher e não deve aguentar isso!

No mais recente álbum solo, “We Are the Ones”, sem dúvida, há um distanciamento de sua sonoridade anterior. Comente sobre a criação desse disco e a mensagem que quis passar. Afinal, quando a pegamos uma faixa como “Rule the World” ou “Head Like a Hole” não é exatamente “I Wanna Rock”.
Dee Snider: Mas eu não estava tentando criar “I Wanna Rock”. Na verdade, eu queria não criar “I Wanna Rock”. Sabe, com o fim do Twisted Sister, eu estava fechando a porta para toda essa coisa de música, turnê, gravação… Eu não tinha produzido nenhuma faixa nova há muito tempo, décadas. Sim, teve “To Hell and Back”, que, em parte, levou a esse disco, e já falo mais sobre isso. Mas, em grande parte, eu não quis tentar compor material novo com o Twisted Sister. Aliás, melhor dizendo, eu simplesmente não tentei escrever música e ponto final, eu estava fechando a porta. Isto até conhecer o produtor e compositor Damon Ranger, em um encontro que aconteceu por acaso em um programa de rádio de Chicago. Na saída, quando estávamos nos despedindo, ele se virou para mim e falou: “Com a música certa, Dee Snider pode ter todo um novo público, pode interessar a uma nova audiência e ganhar espaço na cena musical contemporânea”. Eu pensei que ele realmente estivesse louco. “Até parece”, disse. E Damon respondeu: “Sim, você é icônico, é a voz da rebeldia, extremamente bem conhecido e, ao longo dos últimos trinta anos, acabou ficando limitado a uma porcentagem muito pequena da comunidade musical – fãs de hair metal, classic rock e metal. Tem gente por aí que já ouviu falar de Dee Snider, são fãs do trabalho de Dee Snider na TV, no rádio, em filmes, e você não fez nada para dialogar com esse público. E a sua mensagem é eterna, essa mensagem da rebeldia. Você é a voz da rebeldia”. Aí eu respondi “interessante” e simplesmente fui embora. Meses depois, decidi arriscar produzir algumas faixas novas. Eu tinha composto e gravado “To Hell and Back”, toquei para a minha esposa, que sempre esteve ao meu lado e é minha maior fã e minha maior crítica. Mostrei as músicas e ela ficou sem reação. Aí eu perguntei: “O que foi? Não gostou?” E ela disse: “Sim, é legal… é o mesmo de sempre”. E eu rebati: “Mas eu sou o mesmo cara de sempre”. E ela perguntou se não existia ninguém que pudesse me ajudar a fazer alguma coisa nova. Contei para ela que meses antes tinha conhecido um cara que queria produzir alguma coisa comigo. E ela disse: “Poxa! Ligue para ele!” Ela disse essas exatas palavras. Aí eu telefonei para Mancow e ele me passou o telefone de Damon. Entrei em contato com Damon e seguimos em frente.

Você quer falar sobre Mancow, Damon, no sentido de que…
Snider: Quero dizer, Damon toma as decisões em uma gravadora pequena, ele é produtor. E o lance com produtores é que eles trabalham por trás das cortinas. Eu só ligo para… Eu sou um cara que busca resultados e, quando conheci Damon, os créditos ou credenciais que vinham com ele não significavam nada para mim. Só me importava a execução, o que ele tinha em mente. E ele me ajudou a criar “We Are The Ones”. Quando gravamos, eu falei: “Certo, estou sacando. ‘We Are The Ones’ transmite a minha mensagem e tem um quê de punk…” Sabe, o Twisted Sister não existiria sem o Sex Pistols, já vou deixar claro desde agora que tenho a minha inclinação ao punk, então esse disco é mais voltado para o punk. Enfim, eu falei: “Legal, o que mais você tem a oferecer?” E aí gravamos as próximas duas faixas, e em seguida conseguimos contratos com gravadoras americanas e internacionais. Então, as pessoas acreditaram [no projeto]. Depois, tudo foi construído peça a peça, passo a passo, faixa a faixa. Nunca aconteceu de buscar os acordes certos ou aquela coisa de “deixe-me controlar tudo” e eu dizer “tudo bem, você dirige e eu fico sentado aqui no banco traseiro, faça o que quiser”. Eu participei de tudo no disco, em especial das letras, e me envolvi muito com o processo. Musicalmente, é isso que importa para mim. Em termos de sonoridade, o objetivo era criar um disco de rock contemporâneo, algo que interessasse ao público do rock contemporâneo. Eu sou um grande fã do rock contemporâneo, adoro o Foo Fighters, adoro música nova. E sabia desde o início que estava dando as costas, por assim dizer, ao meu público antigo. Mas também sabia que aqueles que estivessem abertos a uma diversidade maior de música poderiam arriscar e me acompanhar se gostassem do resultado. E eu sabia, e realmente entendo, que os fanáticos por música antiga não se esforçariam para mudar de opinião. Eu entendo, aquela é a música que os define e eles não vão ser fãs de nada além daquilo.

Dee Snider ao vivo | Foto: Ricardo Ferreira
Dee Snider ao vivo | Foto: Ricardo Ferreira

Isso me faz pensar em bandas canadenses, como Platinum Blonde e Harem Scarem, que levaram seus singles novos para as rádios, e a resposta foi uma total falta de entusiasmo e interesse. Aí, elas mudaram seus nomes para Rubber e Number Nine, mas era a mesma banda e a mesma música, e as rádios responderam: “Legal, vamos rodar a faixa”. Acredita que vai encontrar essa situação em que as estações de rádio vão dizer: “Bem, sabe, você não é o Foo Fighters, não é o Imagine Dragons, você é Dee Snider, então…”? Espera encontrar esse tipo de resistência, porque não está repetindo o que fez no passado?
Snider: Não espero. Eu vou dizer “tudo bem, sem problemas” e depois vou para a minha casa no Caribe e vou ficar na praia. Estou dando tudo de mim, mas não vou… Curioso porque os publicitários… Ah, esse é o tipo de entrevista que não quero dar. Desculpa, Mitch.

Eu é que peço desculpas…
Snider: Claro, as entrevistas de heavy metal são assim. Sabe, você tem que se defender e se explicar e…

Sem problemas. Podemos seguir em frente. Tenho muitas outras perguntas a fazer.
Snider: Certo, pode fazer esse jogo. Eu não estou a fim. Não estou aqui, trabalhando nesse projeto, para defender o que estou fazendo, para ficar explicando. Embora eu possa me explicar. Entenda, eu posso explicar minhas motivações. A percepção de que agora, mais do que nunca, as pessoas precisam da mensagem de Dee Snider, a mensagem que eu sempre transmiti: acredite em você mesmo, lute por suas convicções, lute pelo que você acredita, rebele-se! O mundo está uma zona, tudo o que está acontecendo no âmbito internacional, político e social, tudo isso é uma zona. E eu acredito que esteja acontecendo porque a vasta maioria das pessoas, que são a classe média não se levantou e não se fizeram ouvidas. Aí temos uma eleição com uma Hillary e um Trump como opções – e as pessoas menos apreciadas pelo povo na história da política americana com a arma nas mãos. Essas são nossas escolhas, nós permitimos que assim acontecesse. Agora eu estou em uma posição na vida em que me sinto feliz e realizado, não tenho nada a provar. Mas, se eu for uma voz para as pessoas, se eu puder inspirá-las a se levantarem e combater e se fazerem ser ouvidas. Essa necessidade existe no mundo. E, se o meu jeito de fazer a diferença for tocar um rock’n’roll mais mainstream para transmitir a minha mensagem ao público, estou disposto a arriscar. Eu comecei a trabalhar com Damon nesse disco justamente quando esse ciclo eleitoral começou. Então, “We Are the Ones” anda de mãos dadas com o que está acontecendo no mundo, com o que está acontecendo no cenário político americano.

Também é curioso perceber que, se pensar em artistas como U2, Madonna, Prince ou mesmo David Bowie, eles têm essa “permissão”. Aliás, esperava-se que eles se reinventassem a cada disco. Por outro lado, você olha para o Kiss e Twisted Sister e os fãs adotam essa postura de “Não, não, não… Nem se atreva!”
Snider: Legal que você tocou nesse assunto. E a minha esperança no que diz respeito a isso é que… Entenda, esse foi o motivo pelo qual acreditei no Twisted Sister. Eu amo os caras, amo o legado, tenho muito orgulho. Só que eu cruzei a linha de chegada e estou correndo essa maratona insana há 40 anos, e não é fácil manter aquele nível de performance. Então, me sinto feliz porque, como eu disse, cruzei a linha de chegada e consegui sair íntegro, não baixei meus padrões, não decepcionei meu público com minhas apresentações. Então, esse é mesmo o fim do Twisted Sister. Mas o desafio de Damon, eu sabia que não seria algo que poderia produzir dentro do Twisted Sister. Aí todo mundo veio me dizer: “Mas por que você não cria todas as suas músicas com o Twisted Sister?” Nunca, nunca existiu a chance de [esse projeto] ser aceito. Então, pensei que, talvez, se existisse alguma chance de as pessoas aceitarem a música do Dee Snider que não é o Twisted Sister, teria que ser como Dee Snider. Mas existe uma possibilidade considerável de não aceitação porque eu certamente me defini como a força-motriz por trás do Twisted Sister. Por isso, muita gente vai alegar: “Você é o Twisted Sister. Assim, com ou sem a maquiagem, com ou sem o figurino, com ou sem o nome, você ainda é o Twisted Sister”. Vamos ver no que dá.

Dee Snider na época áurea do Twisted Sister | Foto: divulgação
Dee Snider na época áurea do Twisted Sister | Foto: divulgação

Vamos falar um pouco sobre o “Fair Play, Fair Pay Act”. Não estou tentando ser o advogado do diabo, só quero entender e talvez você possa me explicar… Nos velhos tempos, nas décadas de 70 e 80 e mesmo antes, as rádios AM e FM tocavam as faixas e não pagavam nada aos artistas. Nem um centavo, nem meio centavo…
Snider: Não. Nada. Zero.

Agora chegamos a essa situação na qual temos o YouTube e o Spotify e os artistas reclamam que esses sites não pagam nada. Qual é a diferença entre aquela época e hoje? É claro que não estou insinuando que dois erros fazem um acerto, porque não é verdade, mas o que exatamente vocês estão tentando conquistar com esse movimento que tem “We’re Not Gonna Take It” associada a ele? Pode me explicar o que está acontecendo?
Snider: Bem, você está um pouco mal informado.

De propósito.
Snider: Não, não, isso é parte do problema. É parte do problema. Nos Estados Unidos, as rádios, sejam elas AM ou FM, não sei como isso se aplica o Canadá, mas sei que vocês têm regras bem diferentes por aí. Ao longo da história, as rádios nunca pagaram aos artistas nem uma fração de centavo. Zero. Na Europa e no resto do mundo, elas pagam os artistas, entende? Spotify e todos esses outros, Pandora, todos esses canais, eles pagam uma fração de centavo. É um valor muito pequeno. Acredito que o Psy, aquele cara coreano do “Gangnam Style”, recebe 60 mil dólares do Spotify por um bilhão de reproduções – um bilhão! Então, só podemos imaginar o que uma banda com mil reproduções recebe (risos). É uma zona. Enfim, não é muito dinheiro, mas pelo menos eles pagam alguma coisa. Os Grammys estão fazendo uma campanha há muito anos para convencer as rádios americanas a pagarem alguma coisa. Não se trata apenas de reconhecer o valor do artista, mas os artistas estão entregando a sua produção para as rádios. E tem toda essa grana que já foi paga, centenas de milhares de dólares que foram recolhidos e estão depositados em contas bancárias. Esse dinheiro é dos artistas americanos, foi depositado por rádios de fora dos Estados Unidos. Mas os outros países não vão liberar esses fundos até haver um acordo recíproco com as rádios americanas, porque os artistas deles não estão sendo remunerados. Então, o mundo inteiro remunera e reconhece os artistas, menos os Estados Unidos. Não pagam ninguém. Mas, assim que as rádios americanas reconhecerem que os artistas merecem receber alguma coisa, o restante do mundo libera todo esse dinheiro depositado, que já está lá, guardado em bancos, para artistas americanos. E aí começa a fluir nos dois sentidos. O problema é que as estações de rádio defendem que o que elas fazem é promoção, e desde o início eles vieram com essa alegação de que promovem os artistas. A isso, respondemos: “Sim, claro, Led Zeppelin precisa de promoção. Fleetwood Mac precisa da sua promoção no rádio”. Essas estações de rock clássico, elas basicamente tocam faixas de álbuns que já ganharam múltiplos discos de platina, de artistas que não precisam de promoção. O fato de a música desses artistas ser muito conhecida é o motivo de as estações usarem essas faixas – as pessoas sintonizam para ouvir canções que já conhecem. Então, isso é o ‘fair pay fair play act’ e a importância dele.

Mas isso não é parte do problema inicial com alguns contratos assinados com as gravadoras? As bandas novas fazem um trabalho e a gravadora diz “pagamos 10 mil dólares”, e a banda fica toda animada e diz “sim, claro.” Aí, trinta anos mais tarde, os artistas pensam: “Nossa, cara, a gente não imaginava que teria todo esse valor.” Parte da responsabilidade não é dos artistas?
Snider: Não, não é. O rádio é completamente independente e os artistas têm ficado à mercê dele. O rádio por satélite ainda paga alguma coisa. Então, todos os demais canais – todos os canais -, independentemente de quão pequeno seja o valor, mesmo que seja infinitesimal – e realmente é uma piada o valor que eles pagam. Mesmo assim, todos reconhecem que o artista merece alguma coisa pelo que produziu. Todos, menos o rádio, que, desde que Marconi… Bem, é questionável se ele inventou mesmo o rádio, mas essa é outra conversa. Mas, enfim, desde que o rádio foi inventado, desde aquele dia, os Estados Unidos sempre disseram: “Não, não vamos pagar ao artista pela sua produção porque estamos fazendo um favor para ele.”

Que estranho. Eu sei que no Canadá é bem diferente. A CAMRRA [Canadian Musical Reproduction Rights Agency] fica mesmo de olho nisso e você precisa preencher vários formulários. Uma pena que os Estados Unidos ajam dessa maneira com seus artistas.
Snider: O Canadá é incrível em seu apoio às artes e aos artistas, e aos artistas canadenses. Não tenho nada além da mais profunda admiração e respeito por como o governo e o povo canadense apoiam e encorajam e protegem seus artistas, com restrições ao que pode e não pode ser tocado. Mas tudo com o interesse de proteger os artistas e músicas canadenses, e isso é incrível!

Os Estados Unidos fazem o necessário para proteger e promover a cultura e os artistas? Sabe, no Canadá ainda temos aulas de música nas escolas. Se você vai para Dinamarca ou Suécia, eles estudam música na escola, têm acesso a todos os instrumentos. Os Estados Unidos agem mal ao não fomentar a educação musical e não apoiar os artistas, como acontece, por exemplo, com essa questão do rádio?
Snider: Estão totalmente errados. Agora eles defendem que, de alguma forma, quando falamos de arte, a flor consegue crescer no meio do ferro-velho. De alguma forma, ela cresce e sobrevive. Mas quão melhor seria se essa flor fosse estimulada e alimentada e protegida? Para seguir com a analogia do jardim, quantas flores mais teríamos e quão mais bonitas elas seriam se recebessem proteção e ajuda? Então, sim, é uma pena. Quero dizer, eu fiz algumas coisas… Teve um grande encontro na região de Nova York, todos os colégios se reuniram para atrair atenção aos cortes nos programas de música nas escolas americanas. E as artes são as primeiras a sofrerem cortes quando há problemas com o orçamento. Sempre as artes, nunca os esportes. Eu, como roqueiro e esportista, como alguém que é tão fã de esportes quanto é de música, reconheço a necessidade das duas coisas. Qual é, então, a diferença entre os departamentos de arte e música e o departamento de esportes? Se eles tentam contar os investimentos em esportes, as famílias promovem um verdadeiro escarcéu. Já quando cortam das artes, as pessoas ficam “ah, que pena; ah, que chato”, entende? Elas reclamam e choramingam, mas não lutam. E aqui voltamos a “We Are the Ones”, “We’re Not Gonna Take It”. As pessoas estão muito quietas, passam tempo demais paradas, em silêncio, permitindo que pessoas dos dois extremos, seja direita ou esquerda, dirijam esse ônibus desgovernado. Temos que retomar o controle e lutar por aquilo que importa para nós. E as artes são importantes pra caramba.

Sim, e, como canadense, não deixo de notar a ironia em tudo isso, afinal, o maior produto de exportação dos Estados Unidos sempre foi Hollywood, Sunset Strip e a música daquela época, sempre foi a arte. Quando você vai a qualquer lugar do mundo – seja Síria, Irã, França, não importa – eles falam sobre o novo filme do “Homem de Ferro”. E isso é a primeira coisa que vocês cortam. Não deixa de ser peculiar.
Snider: Sim, você está absolutamente certo, mas eles usam esse argumento como defesa e dizem: “Estão vendo? Eles estão bem sem a gente. A falta de orçamento nas escolas, a falta de um programa voltado para o cinema, para as artes, para a música, isso não os impede de ser um sucesso.” Esse é o argumento deles. Mas eu repito: pense em quão melhor, quão mais incrível seria se não fosse tão difícil para os alunos terem acesso a instrumentos, a aulas, a oportunidades de desenvolver seus talentos.

É claro que as artes desenvolvem todo tipo de habilidade mental, habilidades matemáticas, mas poderíamos passar o dia todo debatendo isso. De todo modo, eu seria relapso se não falássemos, mesmo que brevemente, sobre o último show. Você acha que está emocionalmente preparado para subir no palco pela última vez, sabendo que termina ali?
Snider: Sabe, eu acho que estou. Viajo para o México amanhã e tocamos no sábado à noite, o último show. E meu cérebro está pensando: “Nossa, chegou mesmo, termina ali.” Porque eu não sou como Scorpions ou Judas Priest, que não têm a menor intenção de se aposentar, ou Ozzy, ou Bowie, ou Tina…

The Who, Kiss, todos esses…
Snider: Sim. Quero dizer, não sei se eles realmente acreditam, quando estão ali, dando seu adeus, que vão mesmo se aposentar ou se tudo é uma armação desde o começo. Não sei o que pensam. Mas sei que, no meu caso, é muito real. E o meu pensamento em todos os momentos foi: baixe a cabeça e faça o melhor show que você puder, até o fim. Não quero dizer num sentido negativo. Eu faço as minhas performances como se fosse um corredor olímpico. Eles correm e buscam o ouro, com tudo de si, seus pulmões queimam, eles estão sem ar, suas pernas estão mortas, e eles continuam forçando. Aí você vê a linha de chegada e praticamente tem um colapso. Esse é o esforço que qualquer profissional de verdade faz, e é o esforço que eu faço. Eu trabalho com tanto afinco que chega a doer. Por isso, o processo não é exatamente divertido para mim, mas me sinto ótimo quando cruzo a linha de chegada e jogo as mãos para cima e sei que consegui vencer. Mas sábado será minha última vez fazendo isso, pelo menos desse jeito. Porque eu planejo continuar tocando solo, mas não tem nenhuma música nesse disco novo para bater a cabeça, porque meu pescoço está péssimo. Não compus [as músicas novas] para movimentos violentos, para jogar meu corpo no chão e rolar, nem para me arrastar. Então, meu estilo de performance, embora ainda tenha energia e seja intenso, não vai ser físico a ponto de me fazer sentir dor durante e depois dos shows. Então, sábado será o último. Mas sua pergunta era se eu estava pronto. Acho que estou. Me sinto ansioso por alcançar a linha de chegada, mas, ao mesmo tempo, vai ser um momento pesado.

Twisted Sister ao vivo | Foto: Edu Lawless
Twisted Sister ao vivo | Foto: Edu Lawless
"Shut Up and Give Me the Mic", a biografia de Dee Snider

Sim, vai coroar uma grande carreira. Já que citou esse assunto da dor, é mais difícil fazer um show hoje em dia? Porque todos nós estamos ficando mais velhos, meu ombro dói, minhas costas doem. Você ainda mantém o mesmo nível de performance, ou a essa altura já começa a sentir a idade?
Snider: Quem leu meu livro [“Shut Up and Give Me the Mic“] sabe que, quando tinha 20 e poucos anos, eu me arrastava para fora da cama todos os dias. Literalmente me arrastava até uma banheira com água quente para mergulhar o corpo todos os dias. Então, lembro o tempo todo que isso não é nenhuma novidade. Sempre me empurrei ao limite, levei minhas apresentações ao nível da dor. Portanto, o fato de eu sentir dor, não vejo isso como idade, mas mais como meu estilo. Dito isso, eu já passei por cirurgias – na garganta, no ombro, algumas delas fruto das minhas apresentações, outras por exercícios físicos e por ser um cara bem atlético. Hoje em dia, tenho movimentos limitados no pescoço, no ombro, tudo está se desgastando. A dor sempre foi uma constante para mim, mas, como eu disse, tudo está se desgastando, e eu não quero encerrar quando não puder mais me apresentar. Se não fossem as cirurgias, eu não conseguiria fazer o que faço até hoje – no mínimo por causa da minha cirurgia no joelho. Paul Stanley passou pelo quê? Duas substituições de quadril? Entende? As pessoas conseguem continuar graças aos avanços da medicina, ou então já teríamos parado anos atrás. Mas, sim, algumas coisas podem ser atribuídas à idade, sem dúvida.

Vejo que já atingimos o nosso limite de tempo, então você precisa encerrar. Espero que a entrevista tenha terminado melhor do que começou para você. Mas as coisas são assim mesmo… A gente faz o melhor que pode.
Snider: [Risos] Eu só… Essas são as perguntas que vocês, e com “vocês” quero dizer o público do metal, querem fazer, as respostas que querem descobrir. E, como eu disse: não estou fazendo nada disso para me defender, estou trabalhando em um álbum novo porque me senti desafiado e acredito que exista um espaço para mim, pelo menos para a minha mensagem, e, no fim das contas, os fãs é que vão decidir. E como você disse: eu tenho dois caminhos em minha mente, um deles é continuar vivendo intensamente e sair em turnê e criar mais músicas e discos, seguir trabalhando. Vou ceder uns minutos a mais para você, Mitch, para explicar. As pessoas me perguntam: “Você está em busca de quê? Discos que vendam milhões de cópias?” Não. Eu estou em busca de sinais de vida, exatamente como quando o Twisted Sister começou. No nosso primeiro show, acredite, havia toda uma fileira de pessoas celebrando, mas a maioria do público se perguntava “o que é isso?” Tenha em mente que nós surgimos antes do Mötley Crüe, Ratt e Poison, e de todas essas bandas, e o pessoal se perguntava o que era aquilo. Mas sempre tinha uma parcela do público respondendo com “é isso! Eu amo esse som”. Então, estou em busca de encontrar paixão no meu público. É só isso que eu quero, esses sinais de vida. Se eu encontrar essa paixão nas vendas ou nas reações, no público presente nos shows, aí vou dizer: “Quer saber? Eu vou continuar, vou seguir em frente”. Mas se eu só receber essas repreensões e repreensões, essa coisa de “você é Dee Snider e precisa continuar Dee Snider no Twisted Sister”, bem, aí terá sido o suficiente.

Só quero dizer uma coisa antes de terminarmos, esse não era o ponto central da entrevista que eu tinha em mente. Eu estava tentando desenvolver para chegar à ideia de que um artista deve ser livre para criar a arte que quiser criar. É isso que um artista deve ser, e é uma pena que os próprios artistas se coloquem em uma posição diferente disso. Por exemplo, o AC/DC nunca vai criar um disco de jazz porque eles têm que ser o AC/DC, e acho isso uma pena porque seria legal ver o que esses caras seriam capazes de fazer fora da caixinha. O resultado poderia ser interessante. Às vezes funciona, outras vezes dá errado.
Snider: E que bom que pensa assim. Desculpa por ter sido grosseiro com você mais cedo.

Não, não tem problema.
Snider: Mas que bom que você entende. É uma frustração constante, que parece mais presente no mundo do metal, das bandas pesadas. Você citou Madonna, Bowie, artistas que mudaram seus estilos e as pessoas receberam essa mudança dizendo “nossa, que legal!”, e isso dentro do mundo do rock mainstream. Mas, no mundo do metal, quando o Metallica fez o “Load”, que é um disco incrível, o pessoal começou a gritar que eles estavam morrendo. Era o Metallica fazendo um disco ótimo, tentando expandir. Um dos meus discos preferidos do Motörhead é “Another Perfect Day”. Não é um álbum “tradicional” da banda e as pessoas detestaram. Então, muitas bandas de heavy metal que tentam desviar um pouco do que era esperado recebem essa resposta hostil dos fãs.

É verdade. Mas eu percebo uma coisa nos fãs do metal: eles são extremamente leais. Quando o Twisted Sister ou o Motörhead é a banda do coração desse pessoal, eles seguem com essas bandas para sempre, ao passo que em outras áreas, hoje você é fã do Prince e…
Snider: Contanto que você não tente fazer nada inovador (risos).

Mas é uma coisa meio de dar e receber. Não faça nada muito inovador e eles ficarão ao seu lado, mas o Prince ganha alguns fãs novos e são fãs efêmeros e…
Snider: Pois é, aí é que está a ironia. Todas essas bandas… Por que será que o Kiss, o Crüe lançam discos novos, que mantêm a sonoridade dos antigos, e esses álbuns não vendem. Ou vendem dezenas de milhares, mas, ao vivo, a banda começa a turnê, por exemplo a turnê do “Psycho Circus”, tocando duas ou três músicas novas no set e depois, ao final da turnê, está tocando só uma das faixas novas. E aí, na próxima turnê, nem sinal do disco anterior.

Sim, é verdade.
Snider: O disco simplesmente desaparece. Alice Cooper lança um álbum por ano, toca uma ou duas músicas novas e, no ano seguinte, elas somem.

É verdade!
Snider: “Dirty Diamonds” [do Alice Cooper]. Você viu “Dirty Diamonds” nos setlists depois que o álbum saiu? Não! Não estou me queixando da banda, é um disco ótimo, mas os fãs não querem. É aquela música para ir ao banheiro. “Ah, eles estão tocando a música nova, vamos lá comprar uma cerveja”.

Mas de todos esses artistas citados, Alice Cooper é o que mais se transformou e experimentou. Se você ouvir “DaDa” e “Zipper Catches Skin” e “Billion Dollar Babies”, não são a mesma coisa. Ele conseguiu sair ileso disso.
Snider: Não, não conseguiu. Mas quanto desse material foi bem-recebido ao vivo? E aquela música sobre as camas queimando, não sei como chama, “Fire”, “Poison” e aquela outra que fez sucesso nos anos 80? Essas três músicas estavam nos setlists e foram álbuns que venderam milhões. Fora isso? Acho que…

“House of Fire”, acho que esse era o nome da música.
Snider: “House of Fire”. Eu estava confundindo com a do Midnight Oil.

Sim, eu também.
Snider: Certo, agora eu preciso ir, cara. Foi bom conversar com você. Voltaremos a nos falar em algum momento.

Abaixo o videoclipe da versão em piano e voz da clássica “We’re Not Gonna Take It”, releitura que integra “We Are the Ones”, dirigido por Criss Angel e usado em campanha contra o câncer infantil no CrissAngelHELP.com

Transcrito e traduzido por Mauricio Tamboni

Sioux 66 banner

Últimas notícias

Banner Burn Artworks

Leia também

Comentários

comentários