Controverso estudo britânico aponta elevada taxa de risco de suicídio e autoagressão entre fãs de metal

Pesquisadores, entretanto, não são claros em afirma que jovens com elevada taxa de risco de suicídio e autoagressão são assim por pertencerem a uma subcultura alternativa ou se identificam à ela por problemas alheios que levam a esses fatores

Controverso estudo britânico aponta elevada taxa de risco de suicídio e autoagressão entre fãs de metal

De acordo com uma nova pesquisa, jovens fãs ingleses de heavy metal têm cinco vezes mais risco de suicídio e autoagressão.

Pesquisadores das Universidades de Manchester e Liverpool conduziram uma revisão de 12 artigos em língua inglesa publicados no British Journal Of Clinical Psychology e descobriram que grupos pertencentes a subculturas alternativas correm um risco muito maior de se machucarem.

“A crença de que subculturas alternativas podem estar em risco aumentado de autoagressão e suicídio é considerada por alguns como um mito”, disse Peter Taylor, psicólogo clínico da Universidade de Manchester. “Mas a literatura que analisamos sugere que esses indivíduos estão, de fato, em maior perigo. No entanto, esta pesquisa requer interpretação dentro do contexto mais amplo de interesse público em torno de subculturas alternativas e seu impacto na saúde mental dos jovens.”

Ele acrescentou: “Não estamos dizendo que os médicos deveriam se preocupar com todo mundo vestindo uma camiseta do Metallica, mas se há outros sinais que apontam para a autoagressão, então eles definitivamente fazem a pergunta. Muitas pessoas se tornam afiliadas a esses grupos porque sentem que não se encaixam na sociedade e enfrentam muitas vulnerabilidades. Mas também pode haver vitimização e estigma associados a pertencer a essas subculturas”.

Os estudos que exploraram a associação entre preferências musicais e autoflagelação ou suicídio focaram no gênero heavy metal, mas alguns outros também incluem mais gêneros, como  rock alternativo, punk e classic rock. Análises de comparação e fatorial destacaram semelhanças entre os gêneros agrupados.

Cinco estudos investigaram as ligações entre uma preferência por música heavy metal e autoagressão e uma focada em suicídio consumado. Os resultados indicaram que houve pequenas associações positivas entre a preferência pela música heavy metal e o aumento da automutilação, ideação suicida declarada, ideação suicida passada e risco de suicídio, incluindo tentativa de suicídio e ideação suicida no geral. Além disso, percentuais mais altos de fãs de heavy metal (31% – 74%) relataram pensamentos suicidas em comparação com os não fãs (14% – 35%).

As descobertas em vários estudos nos quais os participantes que se identificaram com subculturas alternativas (através da autoidentificação ou preferência musical) também tiveram experiências de adversidade, incluindo bullying ou vitimização, dificuldades nas relações familiares e dificuldades emocionais e/ou comportamentais anteriores, fornecem algum suporte para a sugestão que eles são um grupo suscetível a vulnerabilidades preexistentes à autoagressão. No entanto, apesar desse vínculo potencial, vários estudos descobriram que a relação entre afiliação alternativa e autoflagelação continuava a existir depois que essas variáveis ​​confundidoras foram controladas.

Esses resultados parecem funcionar contra a hipótese de que a associação entre afiliação de subcultura alternativa e autoflagelação resulta apenas de uma vulnerabilidade compartilhada. Dito isso, um estudo descobriu que, após o controle de correlatos ou preditores de autoflagelação, a associação entre preferência musical alternativa e autoagressão tornou-se insignificante e outras pesquisas encontraram um tamanho de efeito reduzido após o ajuste. Esses estudos indicam que experiências preexistentes de adversidade (por exemplo, bullying, depressão) contribuem para a autoflagelação, conforme encontrado na pesquisa geral.

“Não há evidências suficientes para nos dizer por que as pessoas pertencentes a essas subculturas estão em maior risco”, disse Mairead Hughes, da Universidade de Liverpool.

“Os jovens que enfrentaram mais adversidade podem ser mais propensos a se tornar parte de uma subcultura, mas isso não parece explicar totalmente o aumento do risco”, disse Hughes. “Estresse associado a ser diferente e pertencer a um grupo minoritário também pode explicar alguns dos riscos.”

Banner Burn Artworks

Últimas notícias

SIGA O ROCKARAMA

34,385FãsCurtir
9,633SeguidoresSeguir
458SeguidoresSeguir

Leia também

Comentários

comentários